Operação Stalker: PF cumpre mandados em São Luís contra fraudes bancárias

Veículo e objetos apreendidos. Fotos: Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje (20), a Operação Stalker para desarticular uma organização criminosa composta por hackers especializados em fraudar contas bancárias da Caixa Econômica Federal pela internet. O grupo invadia as contas dos clientes e desviava os valores para contas em nome de laranjas para posteriormente sacar e lavar o dinheiro.

Estão sendo cumpridos oito mandados de busca e apreensão, cinco mandados de prisão temporária e cinco mandados de condução coercitiva expedidos pela 4ª Vara Federal de Belém, especializada em lavagem de dinheiro.

Os mandados são nas cidades de Parauapebas no Para e São Luís no Maranhão. Foram apreendidos computadores, mídias, celulares e bens, incluindo um automóvel de luxo.

A operação contou com 50 policiais federais e foi desenvolvida pelo Grupo de Repressão a Crimes Cibernéticos da Superintendência Regional do Pará. A cidade de Parauapebas possui um histórico de ocorrência de fraudes bancárias que são investigadas pela PF.

O termo Stalker significa “perseguidor”, muito utilizado no mundo virtual quando alguém fica acompanhando todas as ações de determinada pessoa na internet, o que se assemelha ao trabalho desenvolvido pelos policiais federais em cima dos hackers.

Maranhão tem o 2º maior saldo de empregos formais do Nordeste em junho

Foram criadas 1.531 vagas com carteira assinada
Foram criadas 1.531 vagas com carteira assinada

O Maranhão teve em junho deste ano a segunda maior geração de empregos formais entre os estados do Nordeste. Levando-se em consideração todo o país, foi o quinto melhor resultado.

Foram criadas 1.531 vagas com carteira assinada em junho no Maranhão, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho. Foi o segundo mês seguido de resultado positivo no estado.

O setor de Serviços já começou a reagir no Maranhão. Foram 768 novas contratações no semestre, com destaque para São Luís, Paço do Lumiar, Campestre do Maranhão e Balsas. A Agropecuária também tem tido desempenho positivo.

O Brasil tem vivido uma das mais graves crises econômicas da história. Para reduzir os efeitos negativos da crise nacional, o Maranhão vem adotando programas para garantir a criação de trabalho e renda, como o Mais Empregos, o Juros Zero e diversas ações de atração de investimento.

As 890 obras que o Governo do Maranhão executa também contribuem fortemente para a geração de vagas.

Temer descumpre acordo e ameaça salários de professores no Maranhão

Deputado Weverton Rocha

Estou indignado com a atitude do presidente Michel Temer, que descumpriu sua palavra, dada a toda a bancada maranhense e aos prefeitos, de que parcelaria a retomada dos recursos adiantados ao Maranhão pelo Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação).

Esse descumprimento de acordo causará um prejuízo enorme às Prefeituras e pode causar o atraso na folha da educação de muitos municípios. Infelizmente o presidente Michel Temer e seu governo deixaram para trás a era em que na política palavra dada é palavra cumprida.

Nós maranhenses, não. Vamos nos mobilizar, todos os deputados federais de todos os partidos e correntes políticas juntos. Já estamos conversando e vamos brigar em Brasília para que o acordo seja cumprido. O povo maranhense não pode ser penalizado e lutaremos para que não seja.

Por Weverton Rocha, deputado federal e líder do PDT na Câmara

Número de leitos hospitalares aumenta 21% em dois anos no Maranhão

(Foto: Gilson Teixeira)

O número de leitos hospitalares na rede pública estadual aumentou 21,28% entre 2015 e 2017. O aumento acompanha a ampliação dos investimentos em saúde pelo Governo do Maranhão. No mesmo período, foram R$ 224 milhões a mais para o setor.

De acordo com o Ministério da Saúde, entre janeiro de 2015 e janeiro de 2017, houve o acréscimo de 449 leitos de internação e 95 leitos complementares (Unidades de Terapia Intensiva e Unidades Intermediárias) na rede hospitalar estadual.

Boa parte da expansão se deve à entrega dos cinco novos hospitais macrorregionais: em Caxias, Imperatriz, Pinheiro, Bacabal e Santa Inês. Juntas, essas unidades já fizeram mais de 2 milhões de atendimentos.

O número de leitos vai aumentar ainda mais. Novos hospitais estão sendo construídos. Um deles é o Regional de Balsas, que vai beneficiar toda a região sul. Serão 50 leitos a mais e capacidade para atender até 240 mil pessoas.

Mais 50 leitos virão com o Hospital Regional de Turiaçu, que passa por revitalização. O Hospital de Traumatologia e Ortopedia vai acrescentar outros 44 leitos.

Prefeitos comemoram renovação da frota de ambulâncias do Maranhão

Entregas da última semana totalizaram 100 ambulâncias entregues este ano
Entregas da última semana totalizaram 100 ambulâncias entregues este ano

De norte a sul do Maranhão, as 100 ambulâncias já doadas pelo Governo do Estado impactam na melhoria do transporte sanitário do estado e na rede de atendimento. Por meio do programa de renovação da frota, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) está reestruturando e facilitando o acesso de maranhenses aos serviços públicos de saúde.

Os gestores municipais estão satisfeitos com a aquisição dos equipamentos. O prefeito de Governador Edison Lobão, Professor Geraldo, ressalta que a parceria com a SES tem dado certo e trazido benefícios para a cidade. “Nós estamos recorrendo a SES sempre que possível para nos ajudar a melhorar o atendimento de saúde no município. Agora conseguimos essa ambulância, que vai ajudar no transporte dos pacientes que necessitam de atendimento de média e alta complexidade”, comentou.

O município de Joselândia também necessita de transporte para os casos de média e alta complexidade. Segundo o prefeito Wabner Feitosa, conhecido como Biné, a ambulância irá facilitar o transporte para os municípios de Peritoró e Presidente Dutra, que são unidades de referência. “Nós temos um fluxo alto no transporte de pacientes para esses dois municípios. Então, essa ambulância é de suma importância e como os municípios passam por momento de dificuldade por conta da crise, não tínhamos como resolver o problema somente na gestão municipal”, avaliou.

O prefeito de Montes Altos, Ajuricaba Sousa de Abreu, afirma que a doação da ambulância feita pelo Governo do Estado irá ajudar a melhorar a prestação do serviço de saúde na cidade. “Somos um município pequeno, para a gente é difícil oferecer um serviço de qualidade em saúde sem precisar do suporte de municípios vizinhos que possam ter hospitais com serviços mais especializados. Então, a ambulância vem ajudar nisso, vai ser importante dar um bom atendimento à população”, explicou.

Situação semelhante passa o município de São João do Paraíso. “Nós temos apenas saúde básica e, com a ambulância desse nível e com essa estrutura, nós poderemos dar um suporte melhor para a população com transporte e a remoção de pacientes”, explicou o prefeito Roberto Régis.

O prefeito de Buritirana, Vagtônio Brandão, ressalta a importância do investimento do Governo do Estado. “Estamos muito felizes! É um grande investimento que vai suprir nossa demanda e trazer segurança e maior conforto para a população”, comentou.

Da Baixada Maranhense, foram beneficiados os municípios de Cajapió e Pinheiro. “Nós temos um hospital de saúde básica e recebemos pacientes de outras cidades também. Então, com essa ambulância nova, vamos ter melhor estrutura, vai melhorar nosso trabalho e melhorar o transporte dos pacientes graves para outros municípios”, informou o prefeito de Cajapió, Dr. Marcone.

Referência para a região, o município de Pinheiro agora dispõe de mais uma ambulância para atender a população da Baixada. “Nosso município atende toda a região da Baixada. Hoje a gente tem um hospital de média complexidade e o materno infantil, fora o macrorregional. Então a maioria da demanda recai sobre Pinheiro. Essa ambulância vai ajudar bastante a suprir a demanda da região”, informou o prefeito Luciano Genésio.

Da Região Metropolitana de São Luís, a UPA do Araçagi, no município de São José de Ribamar também foi beneficiada com mais uma ambulância para a unidade. “Receber essa ambulância hoje significa manter o grau de excelência da nossa unidade e com certeza todos os pacientes e usuários da nossa unidade estarão muito gratos por mais esse veículo como suporte ao nosso atendimento”, explicou o diretor administrativo, Adilson Maia Vieira.

Investimento

O programa de renovação da frota da Secretaria de Estado da Saúde (SES) avança no estado. “Esse programa vem reajustar a saúde do estado e um ponto principal que é o transporte sanitário. A gente precisa ter essa interlocução entre os hospitais. É normal, é natural que haja a troca de pacientes entre unidades de saúde. Só que esse transporte precisa ser feito de forma adequada e para a gente é motivo de felicidade finalizar o primeiro semestre entregando 100 ambulâncias, que era a nossa meta”, afirmou o secretário de estado da Saúde, Carlos Lula.

O equipamento pode ser utilizado como unidade básica ou Unidade de Suporte Avançado (USA) e é equipado com duas macas, duas pranchas, um umidificador, cadeira de rodas, cilindro e bala de transporte para oxigênio.

Artigo: Teoria e prática

Governador Flávio Dino

Por Flávio Dino

“É viva a palavra quando são as obras que falam”. Inspiro-me nessa máxima de Santo Antônio para que minhas ações sejam consequentes com minhas palavras, fazendo com que estas ganhem vida. Tem sido assim com o zelo em relação ao dinheiro público, princípio que marcou minha carreira pública, de juiz e professor a governador. É graças a esse respeito, feito prática de governo, que temos tido condições de cuidar das pessoas, investindo em nosso estado e pagando em dia os servidores públicos. Para nós, teoria e prática andam de mãos dadas, em uma ação decididamente transformadora.

O Maranhão é um dos poucos estados do país que tem sido capaz de navegar em meio à maior crise econômica e política da nossa história. No ano passado, apenas 7 das 27 unidades da federação pagaram toda sua folha de salários dentro do ano. E nós fomos um deles. Todos viram pelo noticiário alguns dos estados mais ricos da federação pagando este mês ainda as remunerações de abril. Já aqui, neste mês de junho adiantamos a primeira parcela do 13º salário, sendo o primeiro Estado a conseguir tal vitoria neste ano. Isso é fruto de trabalho sério, no controle rigoroso de receitas e despesas, enfrentando sem medo os esquemas de fraudadores e corruptos.

O que pode parecer corriqueiro não o é. Não devemos minimizar o que significaram esses três anos de paralisação da atividade econômica que vivemos no país, gerado por uma disputa política sem limites. Uma recessão igual a essa só houve nos anos 1930, em meio à quebra global das bolsas. Os números são assombrosos: no acumulado, retrocedemos 10% na riqueza produzida pela sociedade, o PIB. Isso tem impactos óbvios na implementação de políticas públicas e de direitos sociais, bem como na manutenção de serviços públicos em todo o país.

Aqui, ao contrário, temos conseguido multiplicar serviços. Dobramos o número de Restaurantes Populares. Estamos asfaltando 2 mil quilômetros de ruas e estradas, inclusive ajudando municípios como nunca antes, mediante o Programa Mais Asfalto. Inauguramos 5 hospitais regionais, hospitais de verdade, e temos muitos outros em obras, para corrigir progressivamente os erros do passado. E vamos inaugurar 300 novas unidades de ensino até o final do mandato, além de quase 600 escolas reformadas.

Em períodos recessivos, o investimento público é a melhor forma de ajudar o mercado e os empresários. Portanto, além de um compromisso com o funcionalismo público, pagar em dia o salário de servidores é uma forma de estimular a economia maranhense. A cada mês que pagamos os servidores em dia, são R$ 475 milhões que colocamos para circular em favor das empresas que atuam no Maranhão, ajudando a sustentar milhares de empregos.

Diante da tempestade que toma o país, temos tido serenidade e firmeza para conduzir o Maranhão. Fico pensando o que aconteceria com as finanças do estado se a atual crise nacional ocorresse durante o domínio coronelista ou em mãos inexperientes. Deus nos livre a todos. Vamos vencer essa página triste da história do Brasil. E aí o Maranhão vai avançar ainda mais.

PF desarticula grupo que cometia fraudes bancárias pela internet em Imperatriz

Delegacia de Policia Federal em Imperatriz

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (31) a Operação Cracker para desarticular grupo criminoso especializado em fraudes através da internet que atua nos Estados do Tocantins e do Maranhão.

Participam da operação cerca de 35 policiais federais. Ao todo, estão sendo cumpridos 21 mandados judiciais nas cidades de Araguaína, Augustinópolis, Praia Norte no Tocantins e Imperatriz no Maranhão, sendo 12 mandados de busca e apreensão, 6 mandados de condução coercitiva e 3 prisões preventivas.

A PF descobriu que os criminosos clonavam páginas de lojas virtuais para obter, mediante fraude, dados bancários das vítimas e realizar transações comerciais.

Os fatos em apuração configuram, em tese, os crimes de furto mediante fraude, organização criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas somadas ultrapassam 8 anos.

A nome da operação cracker é um termo usado para designar o indivíduo que pratica a quebra (ou cracking) de um sistema de segurança de forma ilegal ou sem ética.

Operação Paraíso Fiscal prende membros de organização criminosa

Criminosos agiam no Maranhão, Pará, Bahia e Piauí
Criminosos agiam no Maranhão, Pará, Bahia e Piauí

Foram presos nesta quinta-feira (25), em Goiânia (GO), Nelton Carrijo Gomes e Thaisa Vieira de Moura, membros de uma organização criminosa que atuava nos estados do Pará, Piauí, Bahia e Maranhão. Outros mandados de prisão estão a cumprir.

As equipes do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) do Maranhão e de Goiás, além da Polícia Civil dos dois Estados também cumpriram mandados de busca e apreensão nas residências de Nelson Carrijo Gomes e Nelton Carrijo Gomes, em Goiânia, e na sede da Agropecuária MCD LTDA /MCD Agência de Cargas.

No município de Aparecida de Goiânia, foram cumpridos mandados de busca e apreensão na Palisa Logística e Representação Comercial LTDA e PJT Contabilidade de Condomínios LTDA.

As equipes apreenderam documentos, dois computadores, uma arma e telefones celulares.

Segundo o Ministério Público do Maranhão e o 2º Departamento de Combate à Corrupção (DECCOR), as empresas de fachada foram registradas no Pará, Piauí e Bahia e mediante a emissão de notas fiscais eletrônicas falsas simulavam a venda de grandes quantidades de soja para a Agropecuária MCD LTDA, registrada no Maranhão e supostamente localizada em São João do Paraíso.

A organização criminosa inseria declarações dos valores devidos do ICMS (imposto sobre circulação de mercadorias e serviços) nas notas fiscais frias com o objetivo de gerar créditos tributários falsos em favor da Agropecuária MCD LTDA.

Em seguida, a empresa vendia grãos de milho a empresas de outros estados e com os créditos tributários sonegava o pagamento dos impostos.

A Receita Estadual do Maranhão detectou, entre março de 2014 e novembro de 2016, 828 operações de simulação de compra de soja com as firmas de fachada, totalizando R$ 176.711.498,00. A Agropecuária MCD realizou 11.561 operações interestaduais de venda de mlho, no valor de R$ 212.935.854,00.

O Gaeco MPMA constatou que o esquema fraudulento causou um prejuízo de R$ 23.235.361,00 ao Estado do Maranhão.

No pedido de prisão e de apreensão, o Ministério Público e o 2º Departamento de Combate à Corrupção (Deccor)destacaram que os irmãos Nelton Carrijo Gomes, Nelson Carrijo Gomes e José Gomes de Fátima Júnior controlam a Agropecuária MCD LTDA.

Assinam a representação os promotores de justiça Marco Aurélio Cordeiro Rodrigues, Marcos Valentim Pinheiro Paixão e Klycia Luiza Castro de Menezes; além dos delegados da Polícia Civil Roberto Wagner Leite Fortes, Ricardo Luiz de Moura e Silva e Luiz Augusto Aloise de Macedo Mendes.

Rede de drogarias Big Ben anuncia fechamento de lojas no Maranhão

Foto Reprodução

A maior e mais conhecida rede de Drogarias do Estado do Pará, que tem mais de 250 estabelecimentos no Norte e no Nordeste do Brasil, e possui várias filiais no Maranhão há mais de uma década, anunciou nesta terça-feira (16) que está encerrando as atividades em todo o Estado.

Hoje alguns dos estabelecimento da rede em São Luís amanheceram com um informativo afixado na porta de entrada.

Sobre os motivos, há especulações, e não são de hoje, de que a situação da rede de Drogarias esteja relacionada ao processo de venda da marca e tais negociações teriam sido divulgadas na revista Valor em junho do ano passado. Na época, estava prevista a aquisição da empresa nos dias subsequentes pela Extrafarma, do grupo Ultra. Em novembro, uma nova nota dizia que o grupo continuava de olho no mercado farmacêutico e poderia levar a rede Big Ben, da Brasil Pharma. Mas nada foi confirmado ainda.

O Blog entrou em contato com a assessoria de Comunicação e Marketing da Big Ben mas ainda não teve resposta até o momento.

Foto Reprodução

Gamelas atacados em Viana são chamados de ‘supostos índios’

Gamelas foram chamados de ‘supostos índios’

Chamados de “supostos índios” pelo Ministério da Justiça após ataque que deixou dez feridos no domingo (30), os índios gamelas têm sido questionados por falarem português, serem miscigenados e usarem roupas.

Essa acusação é comum contra etnias do Nordeste, onde o contato com o homem branco data do século 16.

Antropólogos e arqueólogos, no entanto, afirmam que a definição de quem é índio leva em conta outras características, como o modo de vida, e que as etnias têm direito à autodeclaração respaldada pela legislação brasileira.

“Os grupos indígenas estão em contato desigual e violento há 500 anos. Não é surpresa que eles perderam a língua e aspectos da organização social, isso só reforça como esse contato foi criminoso”, diz o arqueólogo Arkley Bandeira, da Universidade Federal do Maranhão.

Bandeira afirma que os gamelas mantêm várias características tradicionais, como a agricultura baseada na mandioca e na macaxeira, técnicas de pesca e o uso comunal da terra.

“As característica físicas não são tão levadas em consideração, como no século 19 e início do século 20. Pra ser indígena, não é preciso ter cabelo liso, a pele puxada mais pro pardo“, afirma Bandeira.

Muitos estudiosos dizem que várias etnias no Nordeste e em outras regiões do Brasil passam, desde os anos 1970, por um processo conhecido como etnogênese, pelo qual vários grupos passam a reclamar, de forma coletiva, a reconstrução da identidade indígena.

“Eles não querem mais ser caboclos, e sim indígenas”, afirma o arqueólogo.

Um levantamento do antropólogo José Maurício Arruti, da Unicamp, lista cerca de 50 grupos novos com demanda por reconhecimento como povos indígenas, a maioria no Nordeste, onde a etnogênese é mais forte.

“A ocupação do Nordeste brasileiro assentou-se, historicamente, em massacres e no apagamento da presença indígena”, afirma a antropóloga Daniela Alarcon, doutoranda do Museu Nacional (UFRJ) e há sete anos estudando os tupinambás da serra do Padeiro, na Bahia

“Alvos de racismo e de outras formas de violência, até mesmo para se proteger, muitos indígenas deixaram de expressar sua identidade étnica em face da sociedade envolvente. Mantiveram, porém, ao longo de gerações, modos de vida próprios”.

Fonte: Folha de S. Paulo