VÍDEO: Dutra é vaiado em Paço do Lumiar e chamado de ‘aproveitador’

Prefeito Domingos Dutra

O martírio do prefeito Domingos Dutra (PC do B) no município de Paço do Lumiar segue em ritmo crescente.

O comunista teve, mais uma vez, a sua baixa popularidade comprovada neste fim de semana durante um evento de entrega de títulos de terra, por parte do governo do estado, no bairro do Maiobão.

Uma comissão formada por moradores do Iguaíba foi até o local da solenidade cobrar do prefeito apoio no sentido de fazer com que a Caixa Econômica Federal resolva o imbróglio envolvendo a não liberação de unidades habitacionais dos Residenciais Primavera I e II. Os conjuntos foram implantados na cidade através do programa Minha Casa, Minha Vida.

No primeiro vídeo, com duração de mais de quatro minutos, os membros da comissão conversam com Dutra, pedem seu apoio e solicitam que ele assine um documento se comprometendo em ajudá-los.

Dutra não atende o pedido e no fim do vídeo ainda classifica a reivindicação de ato político.

Uma moradora, depois que Dutra se retira do local, lembra que o governador Flávio Dino (PC do B), na época da campanha do ano passado, colocou o seu aliado prefeito “debaixo do braço” e garantiu que ele iria atender aos anseios dos luminenses.

No segundo vídeo, de pouco mais de um minuto, os moradores vaiam Domingos Dutra e o chamam de aproveitador.

No fim do mês passado, é importante lembrar, Dutra também foi vaiado por comerciantes que trabalham na Feira do Maiobão.

Do Blog do Gláucio Ericeira

De lobos, ovelhas e ortopedia

Secretário de Saúde, Carlos Lula

Por Carlos Lula

Os acontecimentos da última semana me fizeram lembrar Ésopo, o maior escritor de fábulas de todos os tempos. Numa delas, ele narra que um lobo, ao encontrar um filhote de ovelha desgarrado, decidiu mudar de tática e não apenas devorá-lo, mas encontrar argumentos para justificar o motivo pelo qual aquele cordeiro, por direito, deveria, por ele ser devorado.

O lobo iniciou lembrando o cordeiro de que, no ano anterior, ele o tinha ofendido. O cordeiro afirmou aquilo ser impossível, pois ele sequer havia nascido. Cada argumento do lobo era rebatido pelo cordeiro, até que o lobo, já sem paciência, pula sobre o cordeiro afirmando que não ficaria sem alimento apenas porque o cordeiro refutava cada motivo que era apresentado.

Do mesmo modo acontece com terras maranhenses, onde o argumento pouco importa, senão passar a percepção de uma falsa crise envolvendo o novo Hospital de Traumatologia e Ortopedia (HTO). Pois bem, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil está entre os cinco países onde mais ocorrem acidentes com mortes no trânsito. Já segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Ministério da Saúde, para cada acidentado que morre no trânsito há, em média, três vítimas que ficarão com sequelas.

Os dados são preocupantes e nos alertam para um problema de saúde pública, tendo em vista que grande parte das vítimas dependem dos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). Os pacientes acidentados muitas vezes ficam impossibilitados de trabalhar, principalmente enquanto aguardam pelo procedimento. No Maranhão, cerca de 70% dos pacientes internados na ortopedia dos hospitais de emergência são vítimas de acidente de moto.

Considerar, portanto, o trauma como uma doença – com diagnóstico, prevenção e tratamento – é o primeiro passo para se avançar no atendimento às vítimas. Se você parar pra pensar, todo mundo conhece alguém que morreu ou ficou gravemente ferido por conta de acidente de trânsito ou outra causa de trauma. Os acidentes de moto são os que mais causam traumatismo de membros. Precisamos encarar esse problema e trabalhar com estratégias que possam ampliar o atendimento nessa área. Eis a razão pela qual o Hospital de Traumatologia é uma necessidade.

Há tempos negligenciada no estado, a falta de investimentos na área de traumatologia provocou um vazio assistencial no que se refere aos cuidados com os traumatizados e, consequentemente, o crescimento contínuo de uma demanda por procedimentos nessa área. É com o objetivo de preencher esse vazio e pagar uma dívida histórica à população maranhense que o governo tem planejado e executado ações e serviços por todo o estado.

Desde o início da gestão, o poder público estadual vem, por exemplo, realizando uma série de cirurgias ortopédicas de forma eletiva, além dos procedimentos regulares em onze hospitais pelo interior do estado. A iniciativa promoveu um aumento no número de atendimentos realizados em comparação com a gestão anterior. A média mensal de trinta procedimentos de alta complexidade realizados somente na capital durante os últimos meses de 2014 saltou para oitenta por mês em 2017. No interior do estado, o número saltou de 370 para 1400 cirurgias mensais.

Com o Hospital de Traumatologia e Ortopedia no Maranhão (HTO), a proposta é realizar, em uma estrutura adequada e com equipe especializada de profissionais, cerca de 400 cirurgias mensais, quase cinco vezes mais do que é realizado atualmente no Hospital de Câncer do Maranhão. O HTO terá destinação exclusiva e trará a celeridade necessária aos cuidados com os pacientes de trauma ortopédico.

A unidade fará do Maranhão o primeiro estado do Nordeste com uma unidade de alta complexidade destinada ao exclusivo atendimento trauma ortopédico, ambulatorial e cirúrgico, no sistema público de saúde. O HTO ofertará procedimentos de média e alta complexidade que contemplarão tanto cirurgias quanto atendimento ambulatorial. Com tecnologia de ponta, na unidade serão realizados procedimentos como alongamento ósseo, implante de próteses articulares e tratamento de crianças com doenças musculoesqueléticas.

A oposição poderia fazer um grande debate político sobre a saúde pública, mas prefere apostar no caos e usar sua estrutura midiática para propagar inverdades. Tal como na fábula de Ésopo, o tirano sempre vai encontrar um argumento capaz de justificar sua tirania, o lobo sempre vai encontrar um motivo para devorar o cordeiro. Dessa vez, pode vir lobo ou mesmo uma alcateia, encontrarão a devida resistência, porque a sociedade não mais pode esperar esse importante equipamento de saúde pública.

Estamos trabalhando incansavelmente para oferecer o melhor para a população maranhense, especialmente àqueles que necessitam e acreditam no SUS para receber atendimento. É com esses cidadãos que estamos preocupados e é por eles que seguimos em frente, rumo a uma saúde mais digna para todos. Contra qualquer tipo de lobo.

ARTIGO: Basta comparar

Inauguração da primeira parte da revitalização da orla da Praia do Araçagi

Por Flávio Dino

Para avaliar um governo, é necessário compará-lo com o que outros fizeram e levar em conta a conjuntura econômica de cada um. É necessário, também, avaliar a direção estabelecida, as prioridades eleitas e a forma de governar. Com essas métricas, ao fazer as comparações entre nossa gestão e os mandatos da oligarquia, vamos encontrar resultados sempre melhores a favor da nossa equipe. Todos os números mostram que, em dois anos e meio, ultrapassamos patamares que em décadas eles não conseguiram alcançar.

O Maranhão que recebi era o Estado das rebeliões em Pedrinhas, das cabeças cortadas em cadeia nacional e dos toques de recolher, todos os meses, na cidade de São Luís. O Maranhão que vivemos hoje tem queda de 34% no número de homicídios na Grande São Luís, entre janeiro e julho deste ano na comparação com o mesmo período de 2014 (governo passado). Nos governos deles, o Maranhão era território livre para assaltantes de bancos, crimes que geravam intranquilidade nas cidades, enquanto que hoje temos raras ocorrências. Antes, as pessoas dirigiam bêbadas sem serem fiscalizadas, porque não havia barreiras policiais; atualmente, a polícia faz operações para diminuir mortes no trânsito, com grande êxito.

Isso são resultados dos nossos investimentos em segurança, com nomeação de novos policiais, chegando à maior tropa que o Maranhão já teve em sua história: 12 mil profissionais. Um crescimento de 27% de efetivo em relação a 2014, apesar da enorme crise econômica. E vem concurso aí.

Em 2015, recebemos uma série de hospitais de fachada, que nunca chegaram a funcionar com resolutividade, apenas no papel dos convênios e nos “fundos a fundos” misteriosos. Agora, estamos erguendo uma verdadeira rede integrada de saúde com os cinco hospitais macrorregionais já em funcionamento e outros dois que serão entregues ainda este ano. Fora dezenas de conquistas como Rede Ninar, UTI materna, ampliação da radioterapia, Força Estadual de Saúde, entre outras.

Na educação, estamos implantando o maior programa educacional da história de nosso estado, o Escola Digna, que já reformou ou reconstruiu mais de 600 escolas em nosso Estado. Outras 300 novas escolas estão sendo construídas, inclusive substituindo antigas escolas de taipa, símbolo máximo do descaso a que foi relegado o estado por poucas famílias que o controlavam para seus luxos, deleites e privilégios. Antes, os estudantes maranhenses do ensino médio só conheciam escolas de tempo integral pela televisão, vendo imagens de outros estados, e hoje temos 19 já entregues e outras em implantação.

Em infraestrutura, estamos construindo ou recuperando 2 mil quilômetros de asfalto em estradas estaduais e vias urbanas. São obras em todo canto, em todo lugar, que beneficiam todos os maranhenses, enquanto que no antigo regime vigoravam convênios eleitoreiros que escravizavam os municípios.

Com o Plano Mais IDH, estamos atuando nos 30 municípios mais pobres do estado, para garantir que justamente os que mais precisam recebam os benefícios do Governo do Estado. Estive sexta-feira em um desses municípios e uma professora disse que, antes, governador só aparecia lá em tempo de campanha eleitoral, quando ia.

Em órgãos como o VIVA, o PROCON, os restaurantes populares, a comparação mostra que fizemos mais unidades do que todos os outros governos somados, levando serviços essenciais para perto das casas das pessoas.

Certamente, muito ainda há o que fazer. Não se vira uma página de 50 anos de descaso de uma só vez. É necessário o esforço coletivo de quem acredita na transformação do nosso estado. De quem tem fé que o Maranhão pode ser do tamanho que merece. Gigante pela própria natureza e, principalmente, pela força de um povo que lutou décadas contra o atraso, e agora finalmente dá passos firmes em direção a um futuro melhor.

Epa! São Luís vai sediar o 6º Encontro Nacional de Prostitutas

Foto Reprodução

A capital maranhense será sede do 6º Encontro Nacional de Prostitutas que será realizado entre os dias 21 e 23 de setembro próximo, no Convento das Mercês.

Durante os três dias de realização do encontro serão debatidos diversos com representações nacionais como a luta das trabalhadoras sexuais brasileira na perspectiva do futuro.

O evento é promovido pela Associação de Prostitutas do Maranhão, presidido por Maria de Jesus, Rede Brasileira de Prostituas e Central Única de trabalhadores Sexuais.

A mesa de abertura será com o painel “30 anos de memórias, histórias e lutas das trabalhadoras sexuais” que homenageará Gabriela Leite. Representantes dos estados do Pará, Minas Gerais, Distrito Federal entre outras unidades da federação.

A programação do evento será encerrada com uma Puta Festa Maranhense de 30 Anos, após o desfile Grife Daspu com trilha ao vivo do DJ Dolores.

Representante do Museu do Sexo das Putas, de Minas Gerais, está confirmada na mesa que debaterá “Prostituição e cidades: Memórias e desafios contemporâneos”.

O museu foi residência artística realizada no ano passado, reunindo 10 artistas plásticos com duração de um mês. O documentário “Entre fronteiras”, do Canal Futura será exibido no dia 22 de setembro.

Ao longa do período de realização do encontro várias mesas serão realizadas abordando temas como avanços, retrocessos e perspectivas do trabalho sexuais, direitos e legislação no Brasil.

Fonte: Blog do Bóis

São Luís sediará seminário para orientar presidentes de Câmaras Municipais

Vereador Astro de Ogum, presidente da Câmara Municipal de São Luís
Vereador Astro de Ogum, presidente da Câmara Municipal de São Luís

Limites do Poder Legislativo e esclarecimentos sobre atividades de controle e fiscalização externa compõem, em meio a outros temas, a programação do I Seminário de Gestores das Câmaras Municipais que será aberto na manhã da próxima quarta-feira (23), pelo presidente da Câmara Municipal de São Luís (CMSL), vereador Astro de Ogum (PR), com os dirigentes das 217 Câmaras Municipais existentes no Estado, sendo que destes 190 já confirmaram presença.

O evento deve contar com a presença do governador Flávio Dino (PCdoB), do prefeito de São Luís, Edivaldo de Holanda Júnior (PDT), representantes do Poder Judiciário, Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado, ocorrerá no a Salão Carnaúba do Rio Poty Hotel, em São Luís. A programação inicia às 9h e segue até às 17h00. O credenciamento deve ser feito a partir das 8h00 no mesmo local.

Um dos palestrantes do evento será o juiz titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos da Comarca da Ilha de São Luís, Douglas de Melo Martins, que vai proferir palestra sobre “O Poder Judiciário e o Julgamento das Ações de Improbidade Administrativa no Âmbito Municipal”.

A programação inclui ainda palestras sobre “O sistema orçamentário e a LRF”, com o procurador legislativo da Câmara de São Luís, Samuel de Miranda Melo; “Controle Preventivo do TCE”, que será ministrada pelo presidente do TCE, José de Ribamar Caldas Furtado; e “O julgamento de Contas pelas Câmaras Municipais”, tendo como expositor o procurador-geral de Justiça, Luiz Gonzaga Martins Coelho.

Fundação da FECAM

Durante o encontro, representantes das câmaras municipais devem formalizar a criação da fundação da Federação das Câmaras Municipais do Maranhão – FECAM/MA, nova entidade representativa do legislativo, que pretende a auxiliar os chefes dos legislativos municipais.

A ideia da criação da FECAM/MA é unificar e representar as reivindicações das Câmaras, que têm problemas muito específicos em relação às gestões municipais, e fortalece-las na discussão com as autoridades competentes”, destacou Astro de Ogum, idealizador da proposta de criação da entidade.

19 das 21 praias analisadas na Ilha de São Luís estão próprias para banho

Banhistas na Praia do Araçagi

O mais recente relatório sobre as condições das praias da Ilha de São Luís mostra que 19 dos 21 pontos analisados estão próprios para banho. O levantamento é feito semanalmente pelo Laboratório de Análises Ambientais da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema).

O relatório inclui as praias da capital e de São José de Ribamar. Na Praia da Ponta D’Areia, todos os trechos estão próprios para banho, exceto em frente ao Hotel Brisa Mar.

Na Praia de São Marcos, a situação é idêntica: há apenas um trecho impróprio, na foz do rio Calhau.

Na Praia do Calhau e na Praia Olho D’Água, todos os pontos estão adequados para os banhistas. O mesmo se dá na Praia do Meio e na Praia do Araçagi.

Limpeza e despoluição

Desde 2015, o Governo do Maranhão vem investindo para limpar as praias, incluindo a ampliação da rede de esgoto de São Luís. O Programa Mais Saneamento trabalha para que São Luís tenha 70% do esgoto tratado até 2018. Antes de 2015, era menos de 6%. São R$ 350 milhões de recursos na região metropolitana para levar adiante essa tarefa.

O trabalho inclui a construção das Estações de Tratamento de Esgoto, das redes coletoras e das estações elevatórias. A ETE do Vinhais, por exemplo, já foi inaugurada e mais de 80 quilômetros de redes coletoras foram implantadas.

A ETE dos Vinhas é uma das maiores do Nordeste, responsável diretamente pelo tratamento de 40% do esgoto da capital, atingindo 48 bairros da Ilha e beneficiando cerca 350 mil moradores”, diz o presidente da Caema, Carlos Rogério Santos Araújo.

Hospital de Traumatologia e Ortopedia vai desafogar fila por cirurgias

Reforma em prédio do novo Hospital de Traumatologia e Ortopedia

A entrega do Hospital de Traumatologia e Ortopedia, neste semestre, pelo Governo do Maranhão vai desafogar a fila de espera por cirurgias. A nova unidade, em São Luís, terá capacidade inicial para 400 operações por mês.

Hoje, as cirurgias ortopédicas feitas pela rede estadual em São Luís estão concentradas no Hospital de Câncer do Maranhão, antigo Hospital Geral. São, em média, de 70 a 80 cirurgias feitas no local.

Os procedimentos incluem os de alta complexidade (como cirurgias de ilizarov e artroplastias) e videocirurgias (artroscopias). De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), atualmente 2.500 pacientes aguardam por cirurgia no Hospital Geral.

A previsão é de quintuplicar ou sextuplicar o volume de cirurgias que hoje são feitos aqui no Hospital Geral. A ideia é que, dentro dos primeiros meses, cheguemos a uma meta de 400 procedimentos realizados dentro da alta e média complexidade no Hospital de Traumatologia e Ortopedia”, diz Newton Gripp, coordenador estadual de Ortopedia.

O novo hospital vai funcionar na Rua Barão de Grajaú, no bairro Jardim Eldorado, em São Luís. A unidade terá três centros cirúrgicos. No Hospital de Traumatologia e Ortopedia, os médicos terão recursos tecnológicos para fazer procedimentos complexos, como alongamento ósseo e o implante de próteses articulares.

VÍDEO: revoltados, alunos da Faculdade Pitágoras protestam e fazem apitaço

Manifestação de estudantes da Faculdade Pitágoras em São Luis
Manifestação de estudantes da Faculdade Pitágoras em São Luis

Revoltados com descaso por parte da direção da Faculdade Pitágoras, localizada na Avenida São Luís Rei de França no bairro Turu, em São Luís, estudantes fizeram um grande protesto nas dependências da instituição de ensino superior na noite desta sexta-feira (18).

Os manifestantes alegam a falta de professores e afirmam que a faculdade está transformando as aulas em disciplinas presenciais on-line.

“Não vamos nos submeter à uma logística educacional que nos trará prejuízo em nossa formação acadêmica! A faculdade só existe porque existem os alunos que pagam tudo, se não tiver alunos, não tem faculdade. Eles têm que procurar satisfazer os alunos. Não, não, não não, interativas não! Queremos professores que deem aulas!”

Veja imagens da manifestação abaixo.

Operação Paraíso Fiscal: conheça o trio acusado de desviar R$ 23,2 milhões

Paulo Henrique Costa Carrijo, Missias Francelino da Silva e Wemerson Miguel da Silva
Paulo Henrique Costa Carrijo, Missias Francelino da Silva e Wemerson Miguel da Silva

Em coletiva de imprensa realizada nesta sexta-feira (18) na Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), os promotores de Justiça Marco Aurélio Cordeiro Rodrigues e Klycia Luiza Castro de Menezes, membros do Grupo de Atuação Especial no Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), forneceram maiores detalhes da prisão de três dos líderes da organização criminosa alvo da Operação Paraíso Fiscal, ocorrida em 16 de agosto.

A operação foi uma ação conjunta entre Gaeco, Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção (Seccor) e Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz). Participaram da coletiva também o secretário estadual de Fazenda, Marcellus Ribeiro Alves, e o delegado Leonardo Bastian Fagundes, do 1º Departamento de Combate à Corrupção. “Eram empresas de fachada, emitindo notas fiscais fictícias, sob a tutela de um grupo de empresários de Goiás”, disse o secretário.

Foram presos Paulo Henrique Costa Carrijo, Missias Francelino da Silva e Wemerson Miguel da Silva. Outros três mandados de prisão de líderes da organização criminosa continuam em aberto. Todas as prisões preventivas foram determinadas pelo juiz Ronaldo Maciel, titular da 1ª Vara Criminal Privativa para Processamento e Julgamento dos Crimes de Organização Criminosa da Comarca da Ilha de São Luís, com base em pedido conjunto do Ministério Público e Polícia Civil do Estado do Maranhão.

Em 25 de maio, uma primeira etapa da Operação Paraíso Fiscal havia efetuado as prisões de Nelton Carrijo Gomes e Thaisa Vieira de Moura, além da apreensão de documentos, dois computadores, uma arma e telefones celulares.

O promotor de justiça Marco Aurélio Cordeiro Rodrigues, destacou a importância da atuação conjunta entre Sefaz e MPMA e informou que o Ministério Público já está seguindo o rastro do dinheiro. “Fizemos a localização de vários imóveis no estado de Goiás, inclusive uma lancha avaliada em R$ 1,5 milhão de reais. Todo esse trabalho de localização do dinheiro, de identificação de patrimônio é para garantir que todo esse prejuízo seja ressarcido ao Estado do Maranhão. Vários documentos foram apreendidos em Goiás e o trabalho continua”, finalizou.

A promotora de justiça, Klycia Menezes, reforçou que a “ação do MPMA é fruto do programa institucional Ministério Público no combate à corrupção e a sonegação fiscal, premiado recentemente pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), em Brasília, recebendo o 1o lugar na categoria Redução da Corrupção. A partir do momento em que a Sefaz identificou as irregularidades e nos contatou demos início ao inquérito. Instituições unidas são mais fortes”, avaliou.

Durante a coletiva, o delegado Leonardo Fagundes, do 1º Deccor informou que a investigação ainda segue. “A investigação está em fase de conclusão. Em breve será relatado inquérito policial e encaminhado para a Justiça, para devida Ação Penal e responsabilização dessa organização criminosa”, finalizou o delegado.

Segundo o Ministério Público do Maranhão e o 2º Deccor, empresas de fachada foram registradas no Maranhão, Pará, Piauí e Bahia e, mediante a emissão de notas fiscais eletrônicas falsas, simulavam a venda de grandes quantidades de soja para a Agropecuária MCD LTDA, registrada no Maranhão e supostamente localizada em São João do Paraíso.

A organização criminosa inseria declarações dos valores devidos do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) nas notas fiscais frias com o objetivo de gerar créditos tributários falsos em favor da Agropecuária MCD LTDA.

Em seguida, a empresa vendia grãos de milho a empresas de outros estados e com os créditos tributários sonegava o pagamento dos impostos.

A Receita Estadual do Maranhão detectou, entre março de 2014 e novembro de 2016, 828 operações de simulação de compra de soja com as firmas de fachada, totalizando R$ 176.711.498,00. A Agropecuária MCD realizou 11.561 operações interestaduais de venda de milho, no valor de R$ 212.935.854,00.

O Gaeco aponta que o esquema fraudulento causou um prejuízo de R$ 23.235.361,00 ao Estado do Maranhão.