E-mail: [email protected]
Rádio
  • Política
  • Manchetes do JP e EMA refletem a disputa política que marcou sessão na AL

    As capas dos principais jornais do Maranhão refletiram muito bem a discussão ocorrida ontem na Assembleia Legislativa, 15, em torno da aprovação da Medida Provisória 230/17, de autoria do Executivo Estadual, que permite o reajuste de 8% no salário dos professores em cima da Gratificação de Atividade Magistério, Gam.

    O jornal do grupo Sarney, “O Estado do Maranhão” (OEA), na manchete, comete o absurdo de dizer que o Governo não concedeu o aumento. Porém, no corpo do texto, corrige a informação errônea divulgadas por eles mesmos. Pura demagogia ensaiada com o discurso oposicionista da tarde de ontem.

    Já o Jornal Pequeno dá destaque principal ao aumento dos professores e relata o clima de tensão que acompanhou a sessão. Não esquece de destacar ainda que os professores terão o maior salário do país.

    Por fim o Imparcial prefere destacar as manifestações contra a reforma da previdência, mas lembra que houve a votação.

    Três capas, linhas editoriais muito diferentes e que demostram o quanto é acirrado o debate na imprensa e na Assembleia.

    16 de março de 2017 às 9:33 | Por:

  • Política
  • Absolvição de Roseana foi urdida no interior da Justiça

    Há estranhas coincidências ou uma trama bem armada que resultou na isenção da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) no processo em que era acusada de desviar recursos na construção dos 74 hospitais na sua gestão. Os recursos desviados, quase R$ 2 milhões, irrigaram campanhas de políticos ligados ao grupo Sarney e da própria reeleição da ex-governadora.

    No início desta semana, por decisão proferida pelo juiz Clésio Coelho Cunha, Roseana foi absolvida das acusações. A decisão do juiz auxiliar Clésio Coelho Cunha indignou o procurador Lindonjonson Gonçalves de Souza. A denúncia do Ministério Público foi apresentada em fevereiro de 2016.

    Em maio de 2016, a denúncia foi acolhida pelo juiz Fernando Luiz Mendes Cruz, da 7ª Vara Criminal de São Luís. Cruz tirou férias no período de instrução do processo. Neste período a Corregedoria Geral de Justiça designou um substituto para analisar o processo. O desembargador Guerreiro Júnior, substituindo a Corregedora Anildes Cruz, designou então o juiz Clésio Coêlho Cunha para substitui-lo.

    Entre o início das atividades na Vara e a decisão foram apenas 12 dias de trabalho por parte do juiz substituto Clésio Coêlho Cunha. No período em que proferiu decisão, Clésio Coelho Cunha respondia também como substituto pela 1ª Vara da Fazenda Pública e pela 2ª e 3ª Vara Cíveis de São Luís.

    O documento do processo contra Roseana contava com nada menos que seis mil folhas. Em favor da ex-governadora e do processo da denominada Máfia da Saúde haviam doze defesas protocoladas. Na decisão sumária, o juiz substituto Clésio Coêlho Cunha dispensou, por exemplo, depoimentos da ré. As defesas dos 17 réus do caso foram deixadas de lado pelo juiz que se ateve apenas a da ex-governadora. Por conta disso todo o trâmite da absolvição de Roseana tende a parar no Conselho Nacional de Justiça.

    Com informações do Blog do Garrone

    16 de março de 2017 às 8:36 | Por:

  • Geral
  • Nhozinho Santos será reaberto no final de semana com clássico “Maremoto”

    O estádio Nhozinho Santos voltará abrir as portas aos torcedores neste sábado, 18. O local será o palco do clássico entre Maranhão Atlético Clube e Moto Clube, válido pela primeira partida das quartas de final do Campeonato Maranhense de Futebol.

    O local recebeu melhorias e readequações, seguindo plano de recuperação de praças esportivas e de lazer, executado pela Prefeitura de São Luís. Uma solenidade de reabertura será realizada antes do início do jogo.

    O conjunto de ações para requalificação do estádio Nhozinho Santos incluiu melhorias na arquitetura, reestruturação física, construção de acessos, adequações relativas a acessibilidade e ampliação de estruturas. Recuperação do gramado, troca do alambrado, instalação de ar condicionado e nova iluminação.

    O Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Vigilância Sanitária e do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão (Crea-MA) realizaram vistoria no local e aprovaram a reestruturação. As licenças devidas foram emitidas e encaminhadas à Federação Maranhense de Futebol atestando as condições do local para as práticas esportivas.

    15 de março de 2017 às 23:43 | Por:

  • Política
  • Só nós demos aumento para os professores no Brasil, destaca Flávio Dino

    O Governo do Maranhão segue sendo destaque e exemplo para o resto do país. Nesta quarta-feira (15), a Assembleia Legislativa aprovou a proposta que garante reajuste salarial de 8% para os professores maranhenses. Sobre o assunto, o governador Flávio Dino frisou que “ninguém deu aumento agora. Só nós demos. Porque nós valorizamos os educadores e queremos que eles prestem um serviço de mais qualidade para a sociedade”.

    Ainda de acordo com o governador, o Maranhão passa a pagar, com o reajuste aprovado, o maior salário do país para os professores da rede estadual. “Nós temos hoje o segundo e vamos passar ao primeiro. Nós estamos fazendo a política certa, ajustada”, disse Flávio Dino que, além do aumento salarial, está investindo na reestruturação de prédios escolares e na implantação de escolas de tempo integral para garantir melhor educação para os maranhenses.

    A proposta de reajuste apresentada pelo Governo do Estado foi aprovada na imensa maioria das assembleias regionais realizadas pelo Sindicato, mesmo com a tentativa da oposição de politizar e descredenciar o benefício que dará aos professores maranhenses o maior salário do Brasil.

    Talvez o maior motivo de desespero da oposição seja o fato de que o reajuste dado aos professores maranhenses vai totalmente contra ao que eles pregam: a política do quanto pior, melhor!

    15 de março de 2017 às 19:57 | Por:

  • Política
  • Assembleia aprova reajuste que coloca professores com maior salário do país

    A Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão aprovou nesta terça-feira, 15, depois de mais de sete horas de debates, a Medida Provisória 230/17, de autoria do Executivo Estadual, que permite o reajuste de 8% no salário dos professores em cima da Gratificação de Atividade Magistério, Gam. Com o reajuste, o estado do Maranhão passará a pagar o salário mais alto à categoria no país. No ranking atual, o estado vinha ocupando a segunda colocação.

    A Gam é uma gratificação permanente com a mesma natureza jurídica do vencimento, sendo incorporada à aposentadoria. Portanto, o aumento sobre a gratificação reflete diretamente nos vencimentos.

    “Estamos fazendo a política séria, usando critérios com muita prudência, cautela, seriedade e ponderação”, comentou o governador Flávio Dino (PCdoB) antes mesmo da votação da MP pelo legislativo. No final da sessão, às 16h15, 21 deputados aprovaram a MP com votos contrários de apenas 10 parlamentares.

    No Maranhão são 30 mil professores para atendimento de 350 mil alunos distribuídos em 1.200 escolas. A redistribuição de professores que vai preencher pequenas lacunas está sendo discutido pelo Governo do estado com a representação da classe.  Enquanto isso, o governo vem recorrendo ao mecanismo dos contratos temporário.

    O Estado do Maranhão enfrenta um quadro de restrição de recursos ameaça a unidade da federação a desequilíbrio financeiro. Há estados no país que ainda não pagaram o décimo terceiro salário dos servidores.

    Há entendimento compartilhado até pela oposição da função que o estado exerce no universo econômico como principal empregador. Setores como comércio e serviços dependem do equilíbrio fiscal do estado e pagamento regular dos salários.

    O governador Flávio Dino tem esclarecido sobre as perdas de recursos constitucionais que terminam pressionando investimentos em áreas estratégicas como segurança, saúde e educação. O Estado do Maranhão perdeu mais de R$ 1 bilhão de transferências federais desde 2015.

    Além da manutenção dos serviços essenciais, o governo do estado vem ampliando investimentos em diversas frentes.  Em dois anos de administração, por exemplo, o governo Flávio Dino inaugurou cinco hospitais, em Santo Inês, Bacabal, Pinheiro, Caxias Imperatriz.

    15 de março de 2017 às 17:38 | Por:

  • Política
  • Benefícios do INSS teve queda de mais de R$ 22 milhões no Maranhão

    Depois da Bahia, o Maranhão foi o Estado da região Nordeste que teve a maior queda no valor dos benefícios concedidos pela Previdência Social do Governo Federal. A maior acentuação atingiu a clientela da zona rural. Entre os anos de 2014 e 2015, a queda dos valores pagos pelos benefícios da Previdência concedidos à cliente rural no estado foi de R$ 17,038 milhões.

    No geral, somando benefícios urbano e rural, foram R$ 22,878 milhões a menos repassados à economia do estado. O repasse foi reduzido de R$ 119,598 milhões para R$ 96, 718 milhões. O levantamento integra os dados do 24º Anuário Estatístico da Previdência Social 2015, do Ministério da Previdência Social. Ainda não foram divulgados os dados relativos a 2016.

    A tendência de queda segue no Nordeste inteiro. A região teve reduzidos os valores em R$ 446,766 milhões nos dois anos referidos no anuário estatístico. Tanto na zona rural como na zona urbana a curva descendente se acentuou depois de oscilar levemente para cima em alguns estados e no Brasil, entre 2013 e 2014.

    Na clientela urbana a queda nos valores pagos pelo Ministério da Previdência foi em torno de 30% em relação a Previdência do INSS da zona rural maranhense. Na zona urbana os recursos caíram de R$ 46,647 milhões em 2014 para R$ 41, 001 milhões em 2015. Mais de R$ 5 milhões a menos. Pela estatística do IBGE, percebe-se um movimento da demografia no estado da população rural em direção aos centros urbanos.

    15 de março de 2017 às 15:52 | Por:

  • Política
  • Ato contra reformas de Temer em São Luís reúne trabalhadores, centrais sindicais e militância partidária

    Pelo menos quatro centrais sindicais participaram do ato público, na manhã desta quarta-feira, 15, na praça Deodoro, em São Luís, contra as reformas trabalhista e previdenciária propostas pelo Governo Temer. CUT, CTB, Força Sindical e Conlutas (PSC) mobilizaram sindicatos filiados para o ato político que deverá ser o marco nacional de desaprovação do atual presidente.

    Nas falas das lideranças sindicais houve confronto entre correntes sindicais divergentes. Parte dos adversários da gestão do professor e vice-prefeito Júlio Pinheiro (PCdoB) tentaram puxar um coro contra o governo do estado, mas ficaram isolados.

    O Simproessema foi um dos principais sindicatos da mobilização para o ato em São Luís e em outros municípios do estado. Professores de municípios da região metropolitana vieram para participar do ato na capital. Muitos professores das instituições de ensino público superior se integraram ao movimento, liderados pela Andes, Central sindical dos docentes.

    Durante o período de concentração na Deodoro, antes de seguirem em passeata, não houve presença de parlamentares. Militantes do PCdoB, PT e PSOL compuseram a maioria do público presente. O ato foi acompanhado por um número reduzido de policiais setorizados na região da Deodoro e praça do Panteon.

    Por volta das 10 horas os rodoviários aderiram à paralisação. Trabalhadores dos Correios marcaram presença com faixas e panfletos. Entre 800 e mil pessoas estiveram participando do ato.

    15 de março de 2017 às 12:29 | Por:

  • Política
  • “Prejuízo ainda está latente com as isenções ilegais cedidas pelo governo passado”, dispara Othelino

    O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) fez uma consistente defesa do reajuste das alíquotas do ICMS, que entraram em vigor em todo o Estado nesta quarta-feira, 15. Segundo o parlamentar, a iniciativa foi necessária para que o governo mantivesse o nível de investimentos e evitasse um cenário de crise como em outros estados da federação.

    “Houve necessidade de fazer ajustes para aumentar a arrecadação, manter os serviços essências e pagar os salários dos servidores”. No país apenas quatro estados mantém regular o pagamento da folha de servidores e fornecedores. O Maranhão é um deles.

    Além disso, o parlamentar justificou que o Estado ainda se recupera dos “saques aos cofres públicos” praticados pelo governo passado. Quando diversos casos de corrupção foram denunciados pelo Ministério Público. Entre eles: a Máfia da Sefaz, que provocou um prejuízo de quase R$ 1 bilhão ao Maranhão. A ex-governadora Roseana Sarney é acusada de participar do esquema. Ela teve inclusive as contas bloqueadas pela Justiça na semana passada por envolvimento na fraude montada na Secretaria de Fazenda do Estado.

    “O prejuízo ainda está latente com as isenções ilegais cedidas pelo governo passado”, disparou Othelino.

    O discurso do comunista foi um contraponto ao deputado Adriano Sarney (PV) que fez duras críticas ao governador Flávio Dino e voltou a profetizar o retorno grupo Sarney ao poder em 2018. Em resposta, o vice-presidente da Assembleia, concluiu: “Não haverá de voltar ao Governo do Maranhão”.

    15 de março de 2017 às 11:33 | Por:

  • Política
  • PSB fecha as portas para Roberto Rocha

    A decisão do PSB de priorizar a eleição de Zé Reinaldo para o Senado caiu como um balde de água fria nas pretensões de Roberto Rocha. O partido deixou claro que pretende coligar na majoritário, e não pensa na hipótese de ter candidatura própria ao Governo do Estado em 2018.

    Rocha sabia que não contava com o apoio da militância do PSB, mas não apostava na união da legenda. Como Zé Reinaldo deixou bem claro que não dividirá o mesmo palanque que RR, Asa de Avião praticamente foi alijado pelos socialistas. Para o senador restaria o PSDB, mas os tucanos andam se acertando com o PCdoB, de Flávio Dino, e a tendência é pela continuação da coligação.

    Depois de tanto trabalhar para sair candidato ao Governo, Bob Rocha pode ter de apelar ao PP do seu amigo André Fufuca ou até mesmo o PMDB sarneysista, caso ainda queira manter seu projeto.

    15 de março de 2017 às 8:41 | Por:

  • Política
  • “A lista suja foi um caminho para proibir a prática nefasta da escravidão contemporânea”, diz Bira

    Na semana passada o Tribunal Superior do Trabalho, TST, acatou pedido da Advocacia Geral do Estado, AGU, representante do Governo na justiça, e derrubou liminar que obrigava o Ministério do Trabalho a divulgar a Lista Suja, empregadores flagrados utilizando mão de obra em situação análoga à escravidão.

    Na última lista divulgada, cobrindo o período de abril de 2014 a abril de 2016, obtida através da lei de Acesso à Informação, apontava 360 empregadores condenador pela prática. O Maranhão estava presente no rol de empregadores e também em expressivo número de trabalhadores resgatados nestas condições.

    O deputado estadual Bira do Pindaré (PSB), ex-delegado do Trabalho no Maranhão, foi um dos mais atuantes combatentes na erradicação do trabalho escravo, reconhecido internacionalmente pela ONU. Em entrevista ao Blog Marrapá, o deputado falou sobre a medida do Governo Temer em retroceder com as conquistas, proibindo a divulgação da Lista Suja”. “Isso traz um enorme prejuízo para o Maranhão”, afirma o deputado.

    Confira a entrevista:

    Marrapá – Como o senhor enxerga o pedido do presidente Temer em concedeu anonimato aos empregadores que mantêm mão de obra em situação semelhante à escravidão?

    Bira do Pindaré – Infelizmente esse assunto tem sido sufocado pela agenda intensa do Brasil em torno de outros temas. Mas não está passando despercebido. É lamentável que o governo atual trate desta forma esse importante instrumento que foi criado para coibir essa prática no Brasil. Creio que a justiça haverá de corrigir esse erro. Estão sendo tomadas medidas inclusive no Ministério Público. Essa foi uma conquista de todos nós e haveremos de reforçar essa luta. A “Lista suja” foi um caminho para coibir essa prática nefasta e abominável que é a escravidão contemporânea.

    Marrapá – Como estado exportador desta mão de obra e território de grande incidência da prática quais os reflexos da medida para o Maranhão?

    Bira do Pindaré – A proibição da divulgação da Lista Suja causa um prejuízo enorme para o Estado do Maranhão. Pelo número imenso de incidências no estado, e, principalmente, pela quantidade grande de pessoas que são exportadas, traficadas para serem utilizadas como mão de obra escrava. Então, acho que merece da nossa parte um esforço maior ainda para não deixarmos acontecer um desastre como esse: de vermos um mecanismo tão importante quanto é da “Lista Suja” ser simplesmente soterrado por conta de uma nova ordem política existente no Brasil.

    Marrapá – Como o parlamento poderá interferir para que a decisão judicial seja revista?

    Bira do Pindaré – Em termos de parlamento, o que podemos exercer é a pressão política. Não temos outro meio para agir a não ser esse. A justiça tem que cumprir o seu papel, garantindo a aplicação da Constituição que reconhece o direito e a dignidade das pessoas. É com base nesse princípio que acredito que a Justiça tem condição de rever isso. Além do princípio da Transparência, consagrado no Brasil e que precisa ser respeitado pelo Governo Federal, sobretudo, do Ministério do Trabalho, fazendo a divulgação das pessoas que tiveram condenações pela prática do trabalho escravo no país.

    14 de março de 2017 às 19:52 | Por: