População de Imperatriz começa a dar sinais de que paciência chegou ao limite com a prefeitura

A população de Imperatriz tem demonstrado que a paciência com a gestão Assis Ramos está chegando ao limite. Há 45 dias no cargo, o prefeito ainda não conseguiu mostrar a que veio. A malha viária da cidade está tomada de buracos e já há ruas intransitáveis. Na periferia, as erosões causadas pelas chuvas aumentam progressivamente. Não fosse a atuação do Governo Flávio Dino, seria o caos.

Em diversos locais, a população cansou de esperar, arregaçou as mangas, juntou os trocados e pôs a mão na massa. Ou na lama. Há pelo menos três trechos de rua cortados pelos próprios moradores para escoar a água da chuva. Em um dos casos, a população comprou até as manilhas e colocou na rua para drenagem. Diversos outros trechos estão interditados.

Na saúde, a situação só piora. Antes restritos ao Socorrão (releia), os problemas alcançam agora a UPA do Parque São José, administrada pela prefeitura. Há diversas denúncias de usuários, entre elas, falta de medicamentos, de médicos e até de guias para requisição de exames.

O argumento do prefeito é que há que se respeitar os trâmites burocráticos dos processos licitatórios, sempre demorados. É verdade, uma licitação dura entre 60 e 90 dias, dependendo do tipo. Mas o problema não é esse. De acordo com vereadores que visitaram a CPL da Prefeitura na semana passada, só havia em tramitação um processo: do carnaval.

E há que se considerar ainda que houve 60 dias de transição entre as gestões Madeira e Assis. Tempo suficiente para se conhecer a realidade e tomar, junto com a gestão que sai, medidas para os primeiros meses do governo. Foi assim, por exemplo, com a coleta de lixo que teve o contrato prorrogado. E com as outras áreas? E a Infraestrutura e a Saúde?

Em relise divulgado pela própria prefeitura há a informação que o prefeito reuniu, pela primeira vez, todo o primeiro escalão do seu governo e pediu projetos. Na semana passada. Na Câmara de Vereadores, o clima é o mesmo das ruas, com críticas cada vez mais fortes à gestão municipal. A tensão é tamanha que, de acordo com o jornalista Carlos Gaby, do jornal Correio Popular de Imperatriz, já haveria um pedido de armistício por parte dos governistas.

No mundo do marketing político, todos sabemos que os primeiros cem dias de governo são fundamentais para a imagem de um governo. Assis Ramos gosta muito da midia, usa as redes sociais, grava videos em oração. Mas parece ignorar essa regra básica da política. Depois pode ser tarde demais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *