UEMA diz que caso de jovem feita refém pelo ex-namorado foi imprevisível

A Universidade Estadual do Maranhão lançou nota nesta quinta-feira (20) sobre o caso do jovem de 18 anos que invadiu o campus da Universidade Estadual do Maranhão de Balsas na noite desta quarta. Ele não aceitava o fim do relacionamento com a ex-namorada e a fez refém por horas.

Em nota, a UEMA disse que Paulo Ricardo Lima seguiu até uma sala de aula do curso de Matemática. Ao sacar uma arma de fogo, pediu a saída do professor e dos alunos, ficando apenas com a ex-namorada, aluna do referido curso, sob ameaça. Ao ser acionada, a Polícia Militar esvaziou o Campus e deu início às negociações com o jovem que mantinha a aluna refém no interior da sala de aula. Por volta das 23h, a estudante foi liberada pelo ex-namorado, que se entregou à polícia.

O fato, segundo a instituição de ensino, “foi imprevisível, sem precedentes na história institucional”. Afirmou que “na hora do ocorrido havia dois vigilantes terceirizados prestando serviços ao campus, os quais agiram dentro do limite de suas atribuições e contribuíram com a resolução pacífica da questão”.

A Universidade disse repudiar qualquer forma de violência, ameaça, tortura física ou psicológica, que atente contra a integridade da pessoa humana e que a procuradoria jurídica da UEMA vai acompanhar os desdobramentos do caso junto à polícia.