Ciro Gomes fala sobre alianças e pré-candidaturas no programa Resenha

Por Fernanda Fernandes.

Na tarde desta segunda-feira (16) o pré-candidato à presidência da República pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), Ciro Gomes, foi o convidado do programa Resenha, apresentado pelo jornalista Itevaldo Júnior. Na oportunidade, ele falou sobre a pré-candidatura do deputado federal Weverton ao Senado, sobre a disputa presidencial, o atual momento em que vive o país e ainda sobre a repercussão do pedido de soltura no último dia 8 de julho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde o dia 7 de abril na Superintendência de Polícia Federal em Curitiba-PR.

Sobre sistema de acordo tributário, o pré-candidato falou que propõe mudar o sistema de imposto, avaliando que é preciso diminuir a tributação sobre os mais pobres e da classe média, e aumentar os dos contribuintes de classes mais abastadas. Ciro Gomes disse durante entrevista ao vivo transmitida pela TV Difusora que tem sondado, juntamente com o presidente Nacional do PDT, Carlos Lupi, nome para compor a chapa no cargo de vice-presidente.

“A única coisa que eu fiz na prática foi sondar o filho do José Alencar, que foi vice do Lula. Um grande brasileiro, uma pessoa muito simples, muito séria. Empresário, mas tem muita consciência nacional, consciência social. Chama Josué, Josué Alencar”, assegurou.

Em entrevista concedida após gravação do programa Resenha que vai ao ar na quarta-feira (18), o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, comentou a agenda de compromissos no estado. “É um momento importante, por que está consolidando um projeto que começou com o Flávio Dino, ao ganhar a eleição passada. Flávio é nosso candidato à reeleição, é um governador que está mostrando o seu valor e a sua competência. O Weverton é uma cria do PDT, começou lá atrás com Jackson Lago, foi secretário da Juventude. Tem uma vida dedicada à causa do Maranhão e ele vai ser o senador mais jovem da história do Maranhão”, articulou.

“Nós aqui somos pioneiros, a partir da liderança do presidente Carlos Lupi, na base de construção da própria candidatura do Flávio Dino, que está fazendo uma revolução a bem do Maranhão, a bem do nordeste, a bem do Brasil. Neste momento tem mais de 17 estados atrasando os funcionários e o Maranhão está com as suas contas arrumadas, expandindo ofertas de saúde, prioridade que o Flávio Dino dá. E hoje, renovar esse projeto é muito importante, para o Maranhão, para o nordeste e para o Brasil”, garantiu Gomes, que falou do privilégio de já conhecer Dino como juiz e presidente da Associação de juízes federais, e que se surpreendeu com o grande administrador que se tornou.

Para este momento, Gomes garantiu que dadas as indefinições que existem no Brasil, os partidos estão preferindo deixar a consumação dos diálogos para o fim de campanha. Em uma possível coligação, Ciro Gomes disse que é natural que as condições sejam repartidas. Afirmou que hoje em dia o Democratas tem a presença do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e que este seria um bom nome à frente da Câmara para tocar o conjunto de mudanças que deseja para o país.

Gomes assegurou durante a entrevista que o país precisa de um líder de pulso, liderança, que tenha capacidade de dialogar e de somar. Quanto à possível candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva, o pré-candidato à presidência da República pelo PDT afirmou que é preciso paciência e humildade com relação ao Partido dos Trabalhadores (PT) e que ajudou o ex-presidente “por 16 anos”.

Citou o conflito envolvendo a ordem de soltura de Lula e que, assumindo o poder, iria restaurar a autoridade do poder político. O pré-candidato afirmou que o judiciário é fator de garantia das regras e de estabilidade, e que o caso representou insegurança jurídica nacional. “Isso vai beneficiando o autoritarismo e o militarismo”, concluiu.

“Na medida que se inviabiliza a candidatura do Lula, por uma injusta decisão judicial, a candidatura do Ciro ganha uma força muito grande. Acho que esses partidos quando começam a trabalhar na hipótese de fazer apoio ao Ciro logo no primeiro turno, mostram as chances reais dele ganhar a eleição, e é nisso que a gente está trabalhando”, apoiou Lupi.

Na tarde desta segunda-feira (16) acontece o lançamento da pré-candidatura do deputado federal, e líder da minoria na Câmara Federal, Weverton Rocha(PDT) ao Senado. “Talento exuberante, que nós conhecemos na militância da juventude do PDT. Cresceu e virou um deputado brilhante, e agora está maduro pra ser uma voz da qual eu precisarei muito no Senado, que é o Weverton Rocha”, ponderou sobre o líder da minoria na Câmara Federal.

Também fez visita de cortesia à TV Difusora, o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT). Ele reforçou a agenda que está sendo cumprida pelo pré-candidato à presidência da República, Ciro Gomes, lembrando que acontece na tarde desta quarta-feira (16) o lançamento da pré-candidatura do deputado Weverton Rocha ao Senado e também palestra destinada a empresários, mas aproveitou para mencionar convenção do governador Flávio Dino. “No próximo dia 28, nós teremos a convenção que oficializará a campanha do governador Flávio Dino, e também dos seus senadores, entre eles o Weverton Rocha, que é o nosso pré-candidato e futuramente candidato do PDT”, informou Edivaldo Holanda Júnior.

Logo mais, às 18h30 em um hotel da capital maranhense, o pré-candidato à presidência irá ministrar palestra à classe empresarial maranhense. O evento foi organizado pela Associação Comercial do Maranhão (ACM), Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) e as federações do Comércio (Fecomércio) e das Indústrias (Fiema), em continuidade aos encontros com presidenciáveis, dos quais já participaram Rodrigo Maia (DEM), Aldo Rebelo (Solidariedade), Geraldo Alckmin (PSDB), Jair Bolsonaro (PSL) e João Amoêdo (Novo).

Confira abaixo a entrevista na íntegra: