Mais de 10 mandados já foram cumpridos na Operação ‘Combate à Corrupção’

Atualizado às 14h30

Até agora, 12 mandados de prisões preventivas já foram cumpridos na fase da operação da Polícia Militar, 18 foram expedidos. A Operação ‘Combate à Corrupção’ resultou no estouro de dois depósitos clandestinos com mercadorias contrabandeadas em São Luís.

O vice ex-prefeito de São Mateus, Rogério mendes, e os policiais Luciano Fábio Farias Rangel, major da Polícia Militar do Maranhão (PMMA), Fernando Paiva Moraes Junior, soldado da PMMA, e Joaquim Pereira de Carvalho Filho, 2º sargento da PM foram presos na primeira fase da Operação ‘Combate à Corrupção’. Ainda nesta fase, outros homens identificados como José Carlos Gonçalves, Éder Carvalho Pereira, Edimilson Silva Macedo e Rodrigo Santana Mendes também acabaram presos.

Suspeitos presos na primeira fase da operação.

A segunda fase da Operação ‘Combate à Corrupção’ que ocorreu ontem (02), durou até a madrugada deste sábado (03). A polícia, com o apoio do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), encontrou um novo galpão  na Matinha, localizado na saída de São Luís. No novo depósito, considerado dez vezes maior do que o primeiro, foi encontrado uma nova quantidade de mercadorias contrabandeadas.

Depósito clandestino na Matinha, localizado na saída de São Luís.

Ainda ontem, o ex-superintendente de Investigações Criminais, Tiago Bardal, foi chamado para depor e acabou sendo preso por suspeita de envolvimento com milícia. Tiago Bardal foi encontrado por uma patrulha da polícia em uma estrada onde parte da organização criminosa operava. Ele estaria ainda na companhia de um advogado, identificado como Ricardo Jefferson Muniz. O advogado, que é filho de desembargador de um aposentado, também prestou depoimento e recebeu ontem voz de prisão preventiva.

Ricardo Jefferson Muniz e Tiago Bardal estão presos provisoriamente.

Na nova fase, foi decretada ainda a prisão preventiva para Jonilson Amorim, Patrick Sérgio Moraes Martins, Paulo Ricardo Carneiro Nascimento, Gleydson da Silva Alves, Reinaldo Elias Francalanci, Harold João Padilha Martins, Galdino Livramento dos Santos, Evandro da Costa Araújo e Franklin Loura Nogueira.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, esta seria a maior quadrilha da história do crime organizado no Maranhão. Só a primeira carga apreendida em Quebra Pote e no galpão da Vila Esperança somam quase R$ 16 milhões.